sexta-feira, 28 de agosto de 2009

Desolação

Hoje apetece-me falar de um assunto um tanto ou quanto triste. aconteceu-me nestes escassos dias que estive de férias, passar pelos campos e ver algumas cabrinhas,tão magrinhas que até faz impressão, a terra está tão sequinha que pergunto-me como elas se manterão vivas? Será que os donos acreditam que elas comem pedras? Não me parece.

Cheguei a ver uma morta, julgo que de fome e de sede, durante dias a apodrecer no terreno, um cheiro tão nauseabundo que nem se podia.

Interroguei-me porque deixavam ali a cabrinha até chegar aquele avançado estado de decomposição, pois, parece que o nosso estado paga um subsídio por cada animal que se perde,mas para que não se abuse dos subsídios o animal tem de ser recolhido pelas entidades competentes. Até aqui tudo bem, agora o que não se entende é a morosidade das ditas entidades em recolher os restos dos animais, ainda para mais numa altura em que tanto se fala de saúde pública, à que lembrar que estamos no verão e as temperaturas rondamos 35 graus.

Já agora, aqui fica uma palavra de reconhecimento para o funcionário que faz esse trabalho,pois parece-me uma tarefa bastante difícil.

A desolação foi mesmo muita, tanta que nem mereceu foto.

3 comentários:

Sao Teixeira Pereira disse...

Desolação mesmo!
É triste, muito triste!

Outro assunto.
Acabei de colocar um link para o seu blogue, na Wikipédia, na página das Águas, em Ver Fotografias.
http://pt.wikipedia.org/wiki/Águas#Patrim.C3.B3nio

Abraço
São

Nabais disse...

É triste mas a culpa é das entidades que fazem a recolham demoram dias, e os produtores nada podem fazer chegam a ligar todos os dias e nada.

abraço

Ant.Ribeiro disse...

Todos sofremos com as situações tristes. Mas em frente. Sejamos fortes. Mas eu também sou assim!...

Enviar um comentário